• Texto mais visitado
  • Adoração
  • Finanças Pessoais
  • Paz e Vida

terça-feira, 7 de agosto de 2012

RESUMO DO LIVRO: O ATO CONJUGAL, O QUE O SEXO SIGNIFICA PARA O HOMEM.


Tim e Beverly Lahaye, Valney Paz Ribeiro Júnior*, O Ato Conjugal, Editora Betânia, 8ª Edição, Tradução de Myriam Thalitha Lins, Belo Horizonte, MG. 1989, P. 26 a 36.

Muitas esposas não compreendem o que o sexo realmente significa para o homem, e isso, muitas vezes, leva a uma conclusão errônea, que abafa sua capacidade natural de corresponder às iniciativas dele.
Susie começou a entrevista de aconselhamento com uma queixa: "Nosso problema é que Bill é um animal. Ele só pensa em sexo. sexo, sexo. Na verdade, Bill não é nenhum anormal; aliás, a pesquisa que realizamos, bem como as de outros, dão a entender que ele está dentro dos padrões normais para a media dos homens de sua idade. Susie tinha três problemas: não apreciava as relações sexuais, não compreendia as necessidades de Bill e estava mais preocupada consigo própria do que com o marido. O ato conjugal é vitalmente importante para o marido pelo menos por cinco razões.

1 - Satisfaz seu instinto Sexual. Deus determinou que o homem fosse o agressor, o provedor, e o chefe da família. Por alguma razão, isto está ligado ao seu impulso sexual. A mulher que desgosta do impulso sexual do marido, embora admire sua liderança agressiva, faria bem se encarasse o fato de que não pode haver uma sem o outro. Para ilustrar as causas físicas do impulso sexual masculino, deixe-nos apresentar a evidência científica de que "cada gota do líquido seminal contém cerca de trezentos milhões de espermatozoides". Se isso não for liberado através do coito, constitui um fator de grande frustração para ele.
Estes impulsos são dons de Deus para motivar o homem à procriação, que ainda é o objetivo social básico da sociedade. Esse dom não apenas influencia seu comportamento sexual, mas também, sua personalidade, trabalho, incentivo e quase todos os outros aspectos da sua vida.
2 - Satisfaz seu senso de masculinidade. O homem geralmente possui um ego mais forte do que a mulher. Se ele não se sentir homem aos seus próprios olhos, ele não é nada; e, de alguma forma, seu ego parece estar estreitamente associado a esse impulso sexual. A maioria dos homens não liga sua insegurança à frustrações sexuais, ou por que são orgulhosos demais para fazê-lo, ou por não enxergarem a conexão entre as duas coisas. Um homem pode suportar bem um fracasso acadêmico, social ou até mesmo no trabalho, desde que ele e a esposa se entendam bem no quarto de dormir; mas o sucesso nas outras áreas se torna nulo, se ele fracassa no leito. Muitos maridos temem que a esposa esteja apenas suportando o ato sexual por um senso de dever, ou por outro motivo qualquer. O que cada homem precisa, principalmente durante um período de fracasso, é de que sua esposa o convença de que o ama pelo que ele é, e não pelo que proporciona a ela.
Uma mulher relatou-nos o seguinte: "Não importa como esteja o nosso relacionamento sexual, se há uma ocasião em que procuro fazer com que meu marido tenha relação comigo é no dia em que ele paga as contas da família. Parece que é a única coisa que o faz sentir-se reanimado". Uma mulher inteligente e atenciosa fará todo o possível para demonstrar ao marido que ele é um grande parceiro no amor e que ela aprecia suas relações sexuais. Isso é bom para o moral dele e promove um senso de comunicação sincera entre ambos.
3 - Aumenta seu amor pela esposa. O Homem foi dotado por Deus com uma consciência, além de um forte impulso sexual, a satisfação deste impulso aliado ao fato de não ferir essa consciência, aumenta seu amor pela esposa que possibilita isso. Mas somente uma mulher pode ser esta pessoa - Sua esposa. Quando o sexo serve apenas para auto-satisfação, é seguido por forte sentimento de culpa e transforma em farsa uma experiência que Deus determinou que fosse muito gratificante. Em contraste, o ato conjugal quando é praticado da maneira correta, é seguido de agradável relaxamento físico, o qual se fundamenta no fato de ser lícito. E como o sexo é um importante aspecto da existência humana, e o amor conjugal preserva imaculada a sua inocência, a mulher que oferece tais coisas ao marido se tornará cada vez mais o objeto da sua afeição. Perguntaram a um marido realizado, se já se sentira tentado a experiências extraconjugais, ao que ele respondeu, resumidamente, mas de maneira muito clara: "Quando se tem um cadillac na garagem, quem iria tentar roubar um 'fusca' na rua?" Nos últimos anos as atitudes das mulheres tem melhorado muito nesta área. Antigamente era comum as esposas considerarem o ato sexual apenas como "uma parte necessária do casamento", ou então "um dever de esposa". Agora um número crescente de mulheres o vêem como um meio dado por Deus, para enriquecer o relacionamento dos dois, para toda vida.
4 - Reduz as tensões no lar. Muitos homens não percebem que inúmeras de suas inexplicáveis irritações podem ser creditadas a um impulso sexual não satisfeito. Uma esposa inteligente, porém, se manterá alerta para essa possibilidade. Quando prevalece a harmonia sexual, por alguma razão, o mundo parece melhor, e as dificuldades retomam suas dimensões normais. É como se seu trabalho e as pressões da vida valessem mais a pena, quando ele e a esposa consumam o ato sexual de maneira adequada. Quando um homem se casa, ele sacrifica muita coisa - ou pelo menos ele pensa assim. Quando solteiro sente-se bastante livre e desocupado. Se desejar passar a noite toda na rua com os amigos, não precisa dar explicações a ninguém de onde andou, nem considerar os interesses de outrem. Se vê algo que deseja, compra, quer possa fazê-lo ou não. Isso tudo se modifica no casamento.
A mulher pensa sobre finanças apenas ocasionalmente, mas, em geral com uma deliberação limitada e curta. O marido, porém, tem que deitar-se ciente de que é provedor da família. Acorda de manhã com o pensamento: "Preciso trabalhar muito hoje; minha esposa e filhos dependem de mim."
5 - Proporciona-lhe a mais emocionante experiência de sua vida. A titânica explosão física e emocional, que é culminância do ato conjugal para o marido é, tranquilamente, a mais emocionante experiência que ele pode viver, pelo menos no caso das experiências que se repetem. Ele sente como se a pressão sanguínea e a temperatura se elevassem quase a ponto de ele perder o controle. A certa altura a respiração se acelera, e ele geme em êxtase quando a pressão explode com a liberação do sêmen para o objeto de seu amor. Certa vez foram publicadas duas cartas na coluna “Dear Abby” (Prezada Abby), com menos de dez dias de intervalo uma da outra. O conteúdo delas era irônico, mas ilustra bem essa verdade. A primeira vinha de um marido irritado, que se queixava da esposa como dona-de-casa, mas reconhecia nela um traço positivo: “Ela vai para a cama comigo a hora que eu quiser.” A segunda era de um comerciante que pediu a Abby para dizer aquele marido que devia dar graças pelas bênçãos conjugais. “Se eu tivesse uma esposa assim”, dizia ele, “eu me sentiria tão motivado a ganhar dinheiro, que seria suficientemente rico para contratar-lhe uma empregada para arrumar a casa.” Marabel Morgan, autora do livro A Mulher total, sugere que, quando o marido volta para casa à noite, tem apenas duas coisas em mente: Jantar e sexo, e não necessariamente nessa ordem.

Bibliografia:

·         O Ato Conjugal, Editora Betânia, Belo Horizonte, MG, 1989.

0 comentários:

Deixe seu comentário...

Ainda Existe Paz, Levando você à Presença de Deus. Leia nossos artigos e se edificar a sua vida compartilhe conosco deixando um comentário. Escreva no campo em branco, escolha seu modo de identificação (Nome/url=seu nome e seu site; anônimo=não exibir seu nome e etc.) e clique em postar.

Áudio e Vídeo Ainda Existe Paz!